Especial Dia das Mães: checagem completa sobre vacinas infantis!

Checagem completa de todas as notícias que você já leu sobre as vacinas do seu filho. ♥ ♥ 



CHECAGEM #1: 
Vacinas possuem aditivos perigosos à saúde?

Em suas buscas maternas no GOOGLE você já deve ter se deparado com páginas como esta e esta que dizem que as vacinas possuem entre seus componentes aditivos perigosos, não?

Além dos antígenos, diversos outros ingredientes ajudam na eficácia e segurança das vacinas. Conservantes, estabilizadores, adjuvantes, antibióticos, entre outros, fazem parte desta lista. Como qualquer produto químico – inclusive a água! –  estas substâncias podem sim oferecer risco à saúde, no entanto isto depende SEMPRE da dose utilizada.

Sendo assim, podemos dizer que a afirmação “vacinas possuem aditivos perigosos à saúde” é VERDADEIRA, MAS todos estes ingredientes são adicionados apenas em doses comprovadamente seguras para a saúde. Fique tranquila, não há motivos para se preocupar.

 


 

CHECAGEM #2: Excesso de vacinas prejudica o sistema imunológico das crianças?

Tão pequenininho e já tomando tantas vacinas. Qual é a mãe que não fica com o coração apertado ao ver o seu bebê ser vacinado. No Brasil o calendário oficial do Ministério da Saúde inclui 13 vacinas até os 9 anos de idade.  Será que este número é adequado ou poderia prejudicar o “frágil sistema de defesa” do organismo das crianças?

Crianças são expostas a centenas de substâncias estranhas, que desencadeiam uma resposta imune todos os dias. O simples ato de comer introduz novos antígenos no corpo. Felizmente seu sistema imune tem capacidade elevadíssima de resposta a antígenos: estima-se que se as 11 vacinas prescritas no calendário oficial brasileiro fossem aplicadas simultaneamente apenas 0,1% do sistema imune seria utilizado.

Ou seja, é FALSO afirmar que “o excesso de vacinas prejudica o sistema imunológico das crianças”. Lembre-se de sempre conferir se as vacinas do seu bebê estão em dia! 

 


 

CHECAGEM #3: Vacinas causam autismo e outras doenças?

Esta ideia tem origem em 1998 com a publicação de um estudo realizado pelo médico inglês Andrew Wakefield no qual ele afirmava que a vacina tríplice viral causava autismo. No entanto o estudo foi posteriormente rejeitado e considerado uma fraude por motivos científicos e éticos, tornando-se um dos maiores escândalos da medicina recente.

Desde então, inúmeros trabalhos de pesquisa realizados comprovam que Wakefield – que inclusive teve sua licença médica cassada – estava errado e que não há nenhuma evidência científica que comprove a relação de causa-efeito entre vacinas e autismo.

 


 

CHECAGEM #4: É melhor ser imunizado pela doença do que pela vacina?

As vacinas interagem com o sistema imunológico para produzir a resposta semelhante àquela produzida pela infecção natural mas fazem isso sem causar a doença em si ou colocar a pessoa imunizada em risco. Ou seja, as vacinas permitem que se crie imunidade em um ambiente seguro e controlado.

Quando a imunidade é adquirida por meio de uma infecção natural, existe a possibilidade de que ocorram consequências graves para a saúde, como por exemplo defeitos congênitos, câncer hepático  ou até mesmo a morte.

As vacinas atuais produzem imunidade duradoura e eficiente. Segundo guia elaborado pelo Center for Deseases Control and Prevention (CDC), tanto ficar doente ou ser vacinado vai proporcionar proteção futura contra uma doença. A diferença é que com a vacina você não está exposto aos riscos e sintomas da doença.

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS:
Center for Desease Control (CDC) – Vaccine Decision
World Health Organization (WHO) – Timerosal
Center for Desease Control (CDC) – Timerosal
Food and Drug Administration (FDA) – Timerosal
The European Agency for Evaluation of Medicinal Products (EMEA) – Timerosal
Public Health Agency of Canada – Timerosal
American Academy of Pediatrics (AAP) – Timerosal
Food and Drug Administration (FDA) – Formaldeído
Center for Desease Control (CDC) – Formaldeído
Australian Government Department of Health – Formaldeído
American Academy of Pediatrics (AAP) – Formaldeído
Food and Drug Administration (FDA) – Alumínio
Center for Desease Control (CDC) – Alumínio
Australian Government Department of Health – Alumínio
World Health Organization(WHO) – Alumínio  
Center for Desease Control (CDC) – Vacinação Multipla
Sociedade Brasileira de Imunização (SBIM) – Publicações
Center for Desease Control (CDC) – Parents Guide
Center for Desease Control (CDC) – Autismo
PAHO – Mitos e Fatos sobre Vacinação

 

 

COMPARTILHEShare on Facebook74Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someone

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

O debate sobre o uso de agrotóxicos no Brasil se aqueceu com um projeto de lei colocado em votação no último mês. Além de muitas ...

DROPS está dedicando o mês de agosto para investigar tudo o que andam noticiando por aí sobre os agrotóxicos. Mas para entender melhor ...

A azodicarbonamida é utilizada na fabricação de pães para embranquecer e fortalecer a farinha. O resultado é que o produto fica mais ...

Medicamentos como o omeprazol e o pantoprazol são comuns no tratamento de refluxo e úlceras estomacais. Porém, um artigo publicado pela ...

Fale com o especialista

Envie a sua dúvida.
Ela será respondida por
um de nossos profissionais.