Antibiótico pode diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional?

Você já deve ter ouvido falar que “o antibiótico diminui a eficácia da pílula anticoncepcional”. Esta mesma afirmação foi feita por uma matéria publicada no site do programa Bem Estar e assustou quem evita a gravidez através deste método contraceptivo. Será que é verdade?

O que realmente diz a ciência? A DROPS checou.


QUEM DISSE? Bem-Estar

QUANDO DISSE? 30/01/2015

 O QUE DISSE?  “Antibiótico pode diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional”.


 

Contexto

As pílulas anticoncepcionais estão mais modernas do que nunca e isto significa que a concentração de hormônios é a mínima para manter a eficácia e evitar possíveis efeitos colaterais. Mas esta característica também faz com que qualquer redução na concentração dos componentes do medicamento possa levar a uma alteração da sua efetividade.

Uma matéria publicada no site do programa Bem Estar repete o que muitas vezes lemos nas redes sociais ou ouvimos de amigos e familiares:  “Antibiótico pode diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional”.  Para entender melhor se este efeito é realmente possível de acontecer, DROPS investigou o assunto.

 

O que diz a ciência

Quando um contraceptivo oral é usado ao mesmo tempo que um antibiótico, duas situações podem acontecer:

  • O uso concomitante de anticoncepcionais e alguns antibióticos poderia aumentar o metabolismo destes medicamentos, o que faria com que sua eliminação do organismo (ou depuração) seja mais rápida e o anticoncepcional “não tenha tempo” de cumprir o papel esperado.
  • O estrógeno da pílula é metabolizado pelas enzimas das bactérias intestinais (flora ou microbiota intestinal) e então absorvido e utilizado pelo organismo. Quando um antibiótico reduz ou elimina estas bactérias, haveria menos estrógeno disponível e, uma vez que este hormônio já está presente em quantidades muito pequenas na pílula, poderia reduzir a eficácia da ação contraceptiva.

Apesar das explicações teóricas acima, até hoje o único tipo de antibiótico que comprovadamente diminuiu o efeito contraceptivo da pílula, segundo dados de estudos científicos, foi aquele utilizado para tratamento da tuberculose: a rifampicina.  Durante os últimos anos diversos trabalhos foram realizados com o objetivo de esclarecer a interação entre anticoncepcionais orais e antibióticos. Também duas revisões analisaram a totalidade destes artigos, uma do Canadian Journal of Infectious Diseases. e uma da Universidade da Carolina do Sul, e confirmaram o dado de que apenas a rifampicina tem potencial de diminuir os efeitos da pílula. Portanto, as evidências científicas não apontam para a redução de eficácia de uma forma geral. Com isso, classificamos que a afirmação “Antibiótico pode diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional”, é VERDADEIRA, MAS necessita de uma contextualização que explique ao leitor que isto só foi comprovado com um tipo de antibiótico específico (a rifampicina).

 

 

 

Referências (acesso em 07/11/2018):
http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/01/antibiotico-pode-diminuir-eficacia-da-pilula-anticoncepcional.html
https://www.ajog.org/article/S0002-9378(17)30845-1/fulltext
https://monographs.iarc.fr/wp-content/uploads/2018/06/mono100A-19.pdf
Hang & Dale Farmacologia (livro)
https://www.webmd.com/drugs/2/drug-1744/rifampin-oral/details
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3250726/
https://www.jaad.org/article/S0190-9622(02)00037-3/fulltext

 

 

COMPARTILHEShare on Facebook139Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someone

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A busca pela saúde e por um estilo de vida saudável é um comportamento bastante comum atualmente. Para atingir este objetivo, o uso de ...

“Coma orgânico. É melhor para a sua saúde. No mundo atual esta ideia é repetida constantemente. Sem praguicidas e sem modificações ...

Já checamos a eficácia do bicarbonato de sódio para retirar possíveis resíduos de agrotóxicos de frutas e verduras. Mas e o iodo, será ...

O diclofenaco é um anti-inflamatório amplamente conhecido e vendido. No Brasil, o medicamento é de fácil acesso uma vez que não requer ...

Fale com o especialista

Envie a sua dúvida.
Ela será respondida por
um de nossos profissionais.