Chá de hibisco pode prejudicar a fertilidade?

Já ouviu falar do chá de hibisco? Esse chá é muito popular no Brasil e é promovido como suposto aliado à vida saudável e agente emagrecedor.

Mas no que diz respeito ao chá, nem tudo são flores. Algumas publicações, como a divulgada pelo Jornal O POVO, afirmam que o chá de hibisco é o ‘vilão’ da fertilidade.

Mas e aí? Será que tomar chá de hibisco pode mesmo prejudicar a fertilidade humana?

A Drops investigou.

Quem disse? Jornal O POVO

O que disse?  Chá de hibisco é o vilão da fertilidade e compromete a saúde fértil de homens e mulheres1

Quando disse? 06/06/2017

Checagem: A Drops concluiu que AINDA É CEDO PARA DIZER se o chá de hibisco pode prejudicar a fertilidade humana. Essas suspeitas foram baseadas em pesquisas com animais, e muitas vezes usando outra planta: o hibisco ornamental (Hibiscus rosa-sinensis), que é diferente do hibisco comestível utilizado para fazer o chá (Hibiscus sabdariffa). Assim, ainda são necessários mais estudos para determinar se o chá do hibisco comestível é realmente prejudicial para a fertilidade humana.

Contexto:

Quando falamos de hibisco no dia-a-dia, a imagem que vem à cabeça é do Hibiscus rosa-sinensis2, a planta florida ornamental que é muito comum nos jardins brasileiros. Mas na botânica, o termo genérico ‘hibisco’ se refere à um grupo de centenas de espécies distintas de plantas3, que variam desde ervas delicadas até pequenas árvores.

Apontar essa variedade é importante, porque a planta utilizada para fazer o “chá de hibisco” é o hibisco comestível da espécie Hibiscus sabdariffa4, que é diferente5 do hibisco ornamental (H. rosa-sinensis).

Entretanto, as supostas propriedades medicinais das duas espécies são frequentemente confundidas. Na tradição de certas culturas asiáticas, as flores do hibisco ornamental (H. rosa-sinensis) são usadas para prevenir a gravidez ou causar aborto6. Já o hibisco comestível (H. sabdariffa) tem outros usos tradicionais. O chá da planta comestível é empregado por várias culturas e alguns dos seus usos medicinais mais comuns são como tônico estomacal e regulador da pressão sanguínea6. De fato, uma revisão sistemática recente7 (artigo de acesso restrito) encontrou resultados promissores ao avaliar estudos usando a planta comestível para tratar pacientes hipertensos.

Mas será que existem estudos científicos investigando o impacto do consumo de extratos de hibisco na reprodução humana? A Drops levantou o que se sabe até agora.

 

O que diz a ciência:

Não existem estudos científicos avaliando o chá do hibisco comestível (H. sabdariffa) na fertilidade feminina. As suspeitas de que o consumo da planta prejudicaria a gravidez são baseadas em pesquisas (como essa8 e essa9), em que extratos do hibisco ornamental (H. rosa-sinensis) causaram infertilidade em fêmeas de roedores. Entretanto, mesmo quando se fala do efeito do hibisco ornamental na fertilidade, as doses são incertas e ainda não existem estudos clínicos em humanos.

Quando se trata da fertilidade masculina, alguns estudos (esse10 e esse11) mostram que, em roedores machos, o consumo prolongado (diariamente por 1-3 meses nos estudos) do chá do hibisco comestível (H. sabdariffa) pode causar danos aos testículos e espermatozoides. Ainda não se sabe se esses efeitos se repetem em humanos.

Desta forma, fica claro que ainda são necessários mais estudos para determinar se o chá de hibisco comestível (H. sabdariffa) realmente afeta a fertilidade em homens ou mulheres. E, se a resposta for afirmativa, em qual dose.

 

 

 

Fontes:
1 https://www.opovo.com.br/jornal/colunas/belezaesaude/2017/05/2017-0705cs0402-legenda.html
2 https://jb.utad.pt/especie/Hibiscus_rosa-sinensis
3 http://www.theplantlist.org/browse/A/Malvaceae/Hibiscus/
4 https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1081265/caracterizacao-fisico-quimica-de-cha-misto-de-amora-rubus-spp-e-hibisco-hibiscus-sabdariffa
5 http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/31489/1/comunicado-213.pdf
6 https://link.springer.com/book/10.1007%2F978-1-59259-365-1
7 https://doi.org/10.1097/HJH.0000000000000585
8 https://doi.org/10.1016/j.contraception.2004.10.004
9 https://doi.org/10.1093/ecam/nem003
10 https://doi.org/10.1016/j.acthis.2011.07.002
11 https://doi.org/10.1016/j.reprotox.2003.11.001

 

 

COMPARTILHEShare on Facebook8Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someone

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Potes plásticos usados para guardar alimentos, mamadeiras, copos infantis, garrafões de água mineral, alimentos enlatados são algumas ...

Muito utilizado na agricultura, o glifosato ganhou projeção mundial não só pelo seu uso na agricultura, mas também pelas controvérsias ...

O brasileiro consumiu em 2016 uma média 70 litros de refrigerante (diet e tradicional) per capita.[1] Porém, há alguns meses atrás uma ...

Segundo uma reportagem da BBC Brasil, a segurança do consumo de arroz está sendo questionada em alguns lugares do mundo. No Reino ...

Fale com o especialista

Envie a sua dúvida.
Ela será respondida por
um de nossos profissionais.