A dose fracionada da vacina é suficiente para proteger contra a febre amarela?

A febre amarela é uma doença viral transmitida pela picada de mosquitos infectados, principalmente o Haemogogus e o Aedes (o mosquito da dengue). A doença é caracterizada por sintomas como febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia e hemorragias. Uma parcela dos infectados pode apresentar um quadro grave, que chega a levar a morte em poucos dias.

O Ministério da Saúde relata de que de julho de 2017 até 14 de janeiro de 2018, foram confirmados 35 casos de febre amarela no país sendo que 20 vieram a óbito. Além disso, 145 casos suspeitos permanecem em investigação. Para evitar a expansão do vírus, 21,7 milhões de pessoas deverão ser vacinadas contra febre amarela em municípios de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. A dose fracionada será administrada para 76% dos imunizados.

Mas será que a dose fracionada da vacina da febre amarela é eficaz? O Drops investigou.

Afirmação: A dose fracionada da vacina de febre amarela confere uma proteção equivalente à dose padrão.

Checagem: Verdadeiro, mas

 

Contexto:

Atualmente, a vacinação e o controle dos mosquitos são as únicas maneiras de prevenir a febre amarela. Durante surtos da doença, uma resposta rápida e eficiente é necessária para proteger a população e imunizar o maior número possível de pessoas.

Uma estratégia para expandir a capacidade de proteção em situações de risco é a vacinação com doses fracionadas. A vacinação fracionada permite que até 5 pessoas sejam imunizadas com a dose que normalmente é utilizada para um único indivíduo.

Será que o fracionamento da vacina é uma boa estratégia para conter o alastre da doença?


O que diz a ciência:

Segundo um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), uma campanha de vacinação fracionada foi utilizada para conter um surto de febre amarela em 2016 na República Democrática do Congo. Na época, era necessário imunizar 10,5 milhões de pessoas, mas o estoque de vacinas era insuficiente. Assim, uma dose fracionada (⅕ da dose padrão) foi administrada. Estudos realizados até um ano depois verificaram que os indivíduos que receberam a dose fracionada tiveram uma proteção equivalente aos que receberam a dose inteira. A OMS avaliou que a estratégia de fracionamento é promissora para proteger populações vulneráveis em momentos de crise.

No Brasil, um estudo do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz) com apoio da OMS acompanhou voluntários que receberam a dose fracionada da vacina em 2009. Em 2017, os pesquisadores verificaram que os vacinados com ⅕ da dose normal continuam apresentando uma proteção contra o vírus equivalente aos que receberam a dose inteira. Isso mostra que a dose fracionada da vacina brasileira é eficiente na imunização por pelo menos 8 anos. A Fiocruz deve continuar o estudo para determinar o prazo máximo de imunização com dose fracionada.

Entretanto, o Ministério da Saúde afirma que a dose fracionada não é indicada para todos os indivíduos. A dose padrão é recomendada para crianças menores de dois anos, pessoas com condições clínicas especiais e viajantes internacionais que necessitem do certificado de vacinação.


Checagem:

O Drops concluiu que o uso da dose fracionada é eficaz para imunizar uma parcela maior da população contra febre amarela em situações emergenciais. A OMS indica que o fracionamento pode ser usado como uma resposta rápida contra o alastre da doença. Porém a organização também alerta que o fracionamento não deve substituir um plano de prevenção a longo prazo ou a imunização de rotina com a dose padrão.

 

 

COMPARTILHEShare on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Pin on Pinterest0Email this to someone

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

O debate sobre o uso de agrotóxicos no Brasil se aqueceu com um projeto de lei colocado em votação no último mês. Além de muitas ...

DROPS está dedicando o mês de agosto para investigar tudo o que andam noticiando por aí sobre os agrotóxicos. Mas para entender melhor ...

A azodicarbonamida é utilizada na fabricação de pães para embranquecer e fortalecer a farinha. O resultado é que o produto fica mais ...

Medicamentos como o omeprazol e o pantoprazol são comuns no tratamento de refluxo e úlceras estomacais. Porém, um artigo publicado pela ...

Fale com o especialista

Envie a sua dúvida.
Ela será respondida por
um de nossos profissionais.